domingo, 6 de dezembro de 2009

Os Meninos de Sua Mãe - J.T. Parreira

OS MENINOS DA SUA MÃE

Ocorreu-me nesse dia gastar a eternidade
na cara dos meninos, manter o tamanho
das suas cabeças, os seus panos
feridos de África, era o que tinham
um olhar
mantiveram-no fundo e sem sonhar
Os olhos, o ranho, a paz na cara que era deles
não sabiam
como iriam iluminar a câmara escura
do futuro.

J.T.PARREIRA

1 comentário:

maria manuel disse...

estes meninos na «câmara escura/ do futuro»... justa imagem para uma infância tantas vezes esquecida por muitos.

gostei do poema.